Vida de São Paulo da Cruz

Nascimento de Paulo

A bela e fecunda Itália, berço de tantos santos, foi a pátria de são Paulo da Cruz.Nasceu em Ovada, república de Gênova, aos 3 de janeiro de 1694. O pai, Lucas Dánei, natural de Castellazzo, diocese de Alexandria, era de família tradicionalmente ilustre, mas decaída do antigo esplendor. A mãe, Ana Maria Massari, descendia igualmente de nobre linhagem. Sua terra natal foi Rivarolo, na república de Gênova, mas desde a infância vivia com a família em Ovada. Aqui também se estabelecera Lucas, ainda jovem, em casa de um tio sacerdote, pe. João André Dánei. Realizou-se o enlace matrimonial do virtuoso par a 6 de janeiro de1692. Modelo perfeito de união conjugal, mais cobiçosos dos bens imorredouros do Céu que das efêmeras riquezas da terra, buscavam em honrado comércio o necessário para o sustento da numerosa prole. Homem virtuoso e pio, Lucas encontrava suas delicias na prece, na leitura de livros edificantes, nomeadamente nas biografias dos santos. Oh! se todos os pais lhe seguissem o exemplo! Nessas fontes hauria virtudes tão sólidas, que por Deus houvera sacrificado, os mais caros interesses, as mais puras afeições, a própria vida, enfim. Apesar dos compromissos de esposo e pai, aspirava ao martírio. Para com o próximo era justo, bom e indulgente; no leito de morte coroa sua vida com um ato da caridade mais heróica. Igual fisionomia espiritual, realçada com os suaves atrativos de esposa e mãe, se nos depara na incomparável figura de Ana Maria. Humilde, recatada e piedosa, vivia para o lar e para a igreja, repartindo seu tempo entre Deus e a família. Dedicava-se às lides domésticas e à educação dos filhos como a dever sagrado. De paciência inalterável, reprimia qualquer sentimento de revolta e, ao invés de irromper em palavras de censura, seus lábios tão meigos só sabiam proferir esta expressão de bênção:“ Que Deus vos torne santos! ” Doçura tão constante granjeou-lhe o afeto de quantos dela se acercavam. Foi a mulher forte, de que falam as Letras Sagradas. Ao falecer-lhe o esposo, em agosto de 1727, suportou sozinha e sem queixa, apesar das contínuas enfermidades, o peso da numerosa família. Modelo de perfeição, entregou a alma ao Criador em idade avançada, indo receber o prêmio de suas virtudes, em setembro de 1746. Estas as plantas eleitas donde desabrochou flor tão pura, cujo aroma de santidade vamos aspirar. Dezesseis filhos, preciosas dádivas do Céu, vieram alegrar os corações daqueles santos pais. E’ de ordinário entre famílias numerosas que Deus sói escolher os privilegiados de sua graça. Paulo foi o primogênito, se não levarmos em conta uma irmãzinha que o precedeu mas viveu apenas três dias. Neste amado filho pressentiam os pais desígnios extraordinários. Todo o tempo que o trouxe em suas entranhas, jamais sentiu a mãe os sofrimentos que soem preceder a maternidade. Seu nascimento foi assinalado de circunstâncias extraordinárias. Sendo noite, luz maravilhosa inundou o quarto com resplendor tão vivo, que as lâmpadas pareciam apagadas. Paulo será a luz radiante que há de espancar as trevas em que jaz o século XVIII. Veio ao mundo no dia da oitava da festa de são João Evangelista; como este, há de permanecer em espirito ao pé da Cruz. Foi batizado no dia da Epifania, que quer dizer MANIFESTAÇÃO DE JESUS. E ele manifestará ao mundo, pela pregação, os mistérios do Redentor. Recebeu o nome de Paulo Francisco. Como o Apóstolo das gentes, será o missionário de Jesus Crucificado e, a exemplo do seráfico patriarca, fundará uma Congregação alicerçada na mais rigorosa pobreza. Mulher prudente e cristã, quis Ana Maria alimentar com o próprio leite o filho pequenino, e este, com o leite, recebeu a piedade materna. Bem cedo deu claríssimas provas do que viria a ser um dia. Como se já possuíra o uso da razão, alimentava-se apenas de quatro em quatro horas, indicio da grande abstinência que guardaria mais tarde.
Sua Infância
(…)Ana Maria, penetrando a extensão da imensa responsabilidade, pôs todas as suas virtudes a serviço desse altíssimo dever: elevação de inteligência, delicadeza de sentimento; bondade e energia, unção e piedade, mas, sobretudo, grande fé em Deus. Com que solicitude zelou pelo tesouro que o Pai celeste lhe confiara! Com que cuidado não lhe depositou no coração pequenino a semente de todas as virtudes! Tinha-o sempre ante os olhos se esmerava por afastar dele tudo o que pudesse empanar-lhe a candura. E Paulo levará ao túmulo a inocência batismal! Ensinava-o a conhecer, amar e servir o Pai celeste, narrando-lhe a vida dos santos anacoretas. E como estava Intimamente unida a Deus, sabia dar às palavras tais acentos e tal expressão, que o menino a ouvia com o maior interesse. Foi assim que nasceu nele esse amor à solidão, que se tornou a característica de sua vida. Falava-lhe da Paixão e Morte de Nosso Senhor, e nos olhos puros do pequeno borbulhavam lágrimas. Se, ao penteá-lo, Paulo se punha a chorar, como fazem geralmente as crianças, narrava-lhe algum fato da vida dos santos, e era de ver o pequeno passar do pranto à mais viva atenção, ainda conservando nos olhos as últimas lágrimas. Colocava-lhe outras vezes nas mãos o crucifixo, dizendo: “ Vê, meu filho, quanto Jesus sofreu por nosso amor! ” E ele, fitando a devota imagem, como por encanto deixava de chorar. A santa mãe consagrara-o à Rainha das Virgens. Dizia lhe também repetidas vezes da obediência e docilidade do Menino Jesus e da ternura de Maria Santíssima, o que lhe despertava singularíssima devoção para com Eles. E Paulo, de joelhos, mãozinhas postas ante suas imagens, comprazia-se em dirigir-lhes breves orações. Essa esmerada educação materna foi corroborada pelos exemplos do virtuoso pai. A lembrança de mãe tão santa permanecerá indelével na alma agradecida de Paulo Francisco, até o final de sua longa existência. Dela discorria freqüentemente em público, comovido, propondo-a como exemplo. Mais tarde dirá: “Se me salvar, como espero, devo-o a educação que recebi de minha mãe ” . Felizes os pais que assim educam para Deus os seus filhos! Crescendo Paulo em idade crescia outrossim na virtude. Desenvolvia-se-lhe natural tendência à solidão, à prece e à penitência, enquanto começava a revelar caráter brando e afável, talhado para a conquista dos corações. Fugia dos divertimentos infantis e, com seu irmãozinho João Batista que, como veremos lhe foi companheiro fiel nos labores apostólicos entretinha-se em construir altarezinhos adornando-os com flores e imagens do Menino Jesus e da ss. Virgem. Ali passava horas e horas recitar o terço, devoção que conservou até a morte. Certa vez, enquanto oferecia esta prova de amor à Rainha do Céu, apareceu-lhe uma criança de encantadora formosura Era Jesus, que se dignava recompensar assim a ternura que Paulo lhe votava. Maria Santíssima também lhe patenteou de modo extraordinário, bem como a João Batista, sua materna proteção. Enquanto colhiam flores às margens do rio para ornamentar o altar da Virgem, ambos escorregaram e caíram no Olha. As águas eram profundam, rápida a corrente. Paulo e João Batista estavam prestes a perecer… quando de improviso vêm uma senhora de sobre-humana formosura e majestade que, caminhando sobre as águas, lhes estende a mão e os livra da morte. Graça tão assinalada inflamou mais e mais o coração de Paulo no amor e no reconhecimento para com a sua libertadora e para com aquele deifico Menino, cuja beleza o encantara.
Devoção a Sagrada Paixão
Em idade tão tenra comunicou-lhe Deus grandes luzes, o dom das lágrimas e da oração. Embora desconhecesse o método de meditar, guiado pelo espírito de Deus, fazia freqüentes e longas reflexões sobre a Paixão de Nosso Senhor, em que tanto o exercitara a piedosa mãe. Ana Maria, talvez sem o saber, preparava o caminho para os desígnios de Deus em relação a Paulo, ao inspirar-lhe tal devoção. Este tinha sempre ante os olhos a imagem de Jesus Crucificado, considerando os cruéis padecimentos do Redentor, enquanto as lágrimas lhe corriam abundantes. Jesus em pessoa o ia preparando suavemente para missão providencial. Fazia com que seus padecimentos fossem atrativo irresistível para o coração de Paulo, começando, desde então, a recreá-lo com freqüentes visões sobre sua vida, suas dores e sua morte. Apareceu-lhe certa vez com a cabeça coroada de espinhos, o rosto ensanguentado, as carnes maceradas!… Tão forte foi a impressão causada no bem-aventurado menino, que, ao recordá-lo, experimentava extrema tristeza. Não é, portanto, para estranhar que começasse desde os mais verdes anos a amar os sofrimentos. Mortificava o gosto e martirizava o delicado corpo. De noite deixava a cama e deitava-se sobre uma tábua, para assemelhar-se ao Salvador, que na agonia teve por leito o madeiro da Cruz. Mui de freqüente, no silêncio da noite e sempre de joelhos, meditava os cruéis padecimentos de Jesus. Às sextas-feiras, principalmente, entregava-se a muitos rigores, absorto nos tormentos do Homem-Deus. Assentava-se à mesa, triste, pálido e com lágrimas nos olhos. Conseguia-se a custo induzi-lo a comer um pedaço de pão, que banhava com suas lágrimas. João Batista aprendera de Paulo a amar as austeridades e oração. Ve-los-emos sempre juntos na prática das mortificações mais rigorosas. A Paixão de Nosso Senhor era o pensamento quase continuo do nosso santo. Reunia muitas vezes os irmãozinhos e lhes falava da Paixão, com vigor e unção verdadeiramente singulares em tão tenra idade. Seus jovens ouvintes comoviam-se ao vê-lo chorar, chorando com ele. Assim, pela penitência e pela prece, aparelhava em seu coração um santuário ao Deus da Eucaristia, que em breve iria receber pela primeira vez, A mãe não se descuidava de enviá-lo ao catecismo paroquial, impondo-se o dever de repetir ao filho aquelas verdades da fé. Não se tem cabal certeza da época em que Paulo recebeu pela primeira vez a sagrada Comunhão. E’ de crer, no entanto, que logo após ato tão solene, fosse enviado pelos pais a Cremolino para terminar os estudos, pois é certo que então se achegava amiúde à sagrada mesa, com fervor angélico. Embora nos faltem documentos, é fácil conjecturar ter Deus favorecido com graças assinaladas esta alma de escol em dia tão memorável, crescendo Paulo, desde então, de virtude em virtude, jamais cessando de marchar com passos agigantados pelo caminho da santidade. A Comunhão será sua felicidade e sua fôrça. Ela irá preservar este lírio de toda e qualquer mancha. O Tabernáculo será a torre inexpugnável onde Paulo resguardará a virtude.

fonte: https://biografiadossantos.wordpress.com/2010/06/05/sao-paulo-da-cruz/

Baixe a versão completa do livro.

DOWNLOAD